loader
Operação Senhores do Crime – Fase Infinity é deflagrada contra líderes de organização criminosa da zona leste da Capital

Operação Senhores do Crime – Fase Infinity é deflagrada contra líderes de organização criminosa da zona leste da Capital

A Polícia Civil, por intermédio da Delegacia de Repressão à Lavagem de Dinheiro do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (DRLD/Denarc), na manhã desta quarta-feira (03/04), deflagrou a Operação Senhores do Crime - Fase Infinity. A ação visa combater a lavagem de capitais oriundos do tráfico de drogas praticado pela alta cúpula de uma organização criminosa sediada nas zonas leste e sul da Capital.
Treze pessoas foram presas. A operação ainda resultou na apreensão de uma espingarda calibre 12, uma pistola, drogas e dinheiro. A ofensiva de hoje contou com 190 policiais civis cumprindo 25 mandados de busca e apreensão, 13 mandados de prisão preventiva, sequestro de cinco imóveis e 42 CPFs tendo ativos bancários indisponibilizados. As prisões abarcam líderes/fundadores desta organização criminosa, além de gerentes/operadores de vulto em Porto Alegre, Santa Maria, Viamão, Gravataí e no sistema prisional.
Uma das líderes, uma mulher de 35 anos, foi presa já durante a semana passada (27/03) na zona sul da Capital em ação conjunta com a 1ªDIN/Denarc por prisão preventiva decorrente de investigação já com condenação de associação ao tráfico.
Segundo o delegado Adriano Nonnenmacher, titular da DRLD/Denarc, a organização criminosa movimentou cerca de 14 milhões de reais nos últimos meses. Durante 11 meses de investigação foram implementados/analisados 126 afastamentos de sigilo bancários, financeiros e fiscais, bem como quebras telemáticas. “O montante em sequestros pode chegar a 1,5 milhões de reais, sendo ainda aguardada a contabilização de ativos no sistema financeiro. Um dos imóveis é no Rio de Janeiro, no bairro de Jacarepaguá”, explicou o delegado.
A investigação conseguiu angariar vasta prova de lavagem de dinheiro na modalidade “contas de passagem”, mediante fracionamentos, pulverizações e smurfings, utilizando o sistema financeiro para a realização de dissimulações a fim de burlar fiscalizações dos órgãos de controle.
“Também foi comprovada a ligação desta organização criminosa gaúcha com outra de amplitude nacional sediada no Rio de Janeiro, além de vínculos no interior do Estado, fruto de distribuição de drogas e lucros milionários. Alguns dos operadores alvos hoje estariam atrelados a uma dissidência e formação de uma possível nova organização de âmbito regional”, relatou Nonnenmacher.
Nas provas analisadas, verificam-se negociações e alusões sobre territórios na Capital, distribuição de valores, homicídios, dissidência para uma nova organização, além de os líderes indicarem esposas para darem comandos aos comparsas. Uma destas mulheres, alvo da operação de hoje, é esposa de um homem condenado dias atrás por homicídio de um policial militar em 2019, na zona sul da Capital.
Conforme o Delegado Alencar Carraro, Diretor de Investigações do Denarc, trata-se de uma operação importante de lavagem de capitais e organização criminosa, pois atinge o primeiro escalão do grupo criminoso de alta periculosidade voltado à distribuição de drogas e homicídios em Porto Alegre.
Para o Delegado Carlos Wendt, Diretor-Geral do Denarc, esta foi mais uma ação que atinge líderes, gerentes e laranjas de grupos criminosos, responsáveis por vários crimes no Estado, vinculados à organização de amplitude nacional.