loader
Rock in Rio completa 35 anos; relembre histórias que marcaram o festival desde 1985

Rock in Rio completa 35 anos; relembre histórias que marcaram o festival desde 1985

Os portões da Cidade do Rock, no Rio de Janeiro, abriram pela primeira vez no dia 11 de janeiro de 1985. O primeiro dia da história do Rock in Rio teve Queen, Iron Maiden, Whitesnake, Pepeu Gomes com Baby Consuelo, Erasmo Carlos e Ney Matogrosso.
Trinta e cinco anos depois, o festival já teve 20 edições - somadas as do Brasil e do exterior, que tiveram mais de 10 milhões de ingressos vendidos.
No aniversário do Rock in Rio, relembre casos de bastidores e momentos que marcaram o evento. Das exigências de Freddie Mercury naquele primeiro dia do festival ao show de Anitta na edição mais recente, de 2019, ouça podcasts G1 Ouviu que contam histórias do festival.
Bastidores contados por quem estava lá desde o início
As maiores vaias da história do festival
2001 - o ano em que o Rock in Rio surtou
De Anitta a Iron Maiden e Scorpions - nem tudo é 'ao vivo'
1 - Freddie Mercury, Axl Rose... Rock in Rio por trás das câmeras
Jornalistas que cobriram as primeiras edições do festival contam causos sobre os bastidores. Eles falam das excentricidades de Freddie Mercury e Axl Rose, de Bruce Springsteen tocando Raul Seixas, de uma boy band que se achava punk, além de exigências e micos de artistas.
2 - As maiores vaias da história do Rock in Rio
Carlinhos Brown, Lobão, Erasmo Carlos, NX Zero, Gloria... O G1 conta histórias dos vaias no Palco Mundo na voz de artistas, produtores e jornalistas que viveram estes momentos. 
3 - Rock in Rio 2001, o ano em que o festival surtou
Por que a banda O Surto, do hit "A cera (Pirou o cabeção)", foi parar no festival? O podcast G1 Ouviu explica o que o boicote de seis bandas tem a ver com o show mais surreal da história do evento, cheio de tretas e momentos impagáveis no palco. 
4 - A arte do playback? De Anitta e Pink a Iron e Scorpions
Especialistas em áudio e produção de shows tiram dúvidas sobre recurso que gerou polêmica no show da Anitta no Rock in Rio 2019. Segundo eles, 90% das atrações de festivais usam bases pré-gravadas. Mas dublar ou fingir tocar pega mal.