loader
Primeira Infância Melhor faz balanço positivo

Primeira Infância Melhor faz balanço positivo

O Programa Primeira Infância Melhor (PIM) trouxe importantes resultados para famílias e gestantes de Imbé. Em reunião para balanço do programa, o secretário municipal de Desenvolvimento Social, Sandro Melo, e a assessora técnica estadual do PIM e Criança Feliz do Litoral, Cleci de Souza Lima Martins, apresentaram ao prefeito Pierre Emerim números que mostram redução da mortalidade infantil em 16% na cidade.
Em Imbé, no ano de 2017, foram registrados cinco óbitos. Já no ano passado foram duas mortes. Além disso, houve consenso que Imbé é a cidade que melhor aplica os recursos do programa no Litoral Norte, com 250 famílias acompanhadas, a maioria concentrada no balneário Albatroz, e 69% recebem Bolsa Família. “Fizemos uma excelente reunião para prestação de contas desse importante trabalho de prevenção. Desde que o programa foi implementado em Imbé, passamos a qualificá-lo e auxiliamos no seu crescimento”, destacou Melo.
A coordenadora da Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Caroline Pimenta, participou da reunião e apontou atraso de repasse nos pagamentos do PIM pelo Governo Estadual desde o ano passado. Já o prefeito Pierre Emerim afirmou ser “importante que os pagamentos estejam em dia para que os resultados sejam apresentados à sociedade que paga seus impostos e precisa saber o retorno dos serviços prestados”. “Os funcionários que atuam no programa estão pelas ruas e vejo que o recurso é bem aplicado”, avaliou o chefe do Executivo.
O PIM é oriundo do Governo Estadual e tem como desafio a redução dos índices de desigualdade e exclusão social, contando com uma equipe que orienta as famílias e gestantes a partir de sua cultura e experiências, para que promovam o desenvolvimento integral de suas crianças de zero a seis anos. Já o Programa Criança Feliz é do Governo Federal e tem a mesma metodologia do PIM, porém com atendimento a crianças de zero a três anos, beneficiadas pelo Bolsa Família, gestantes e crianças de até 72 meses que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC).