loader
Homem suspeito de esfaquear pessoas perto da London Bridge é morto pela polícia

Homem suspeito de esfaquear pessoas perto da London Bridge é morto pela polícia


No momento do incidente, uma mulher, Karen Bosch, estava num ônibus na ponte, e contou à rede BBC o que aconteceu: "O ônibus parou repentinamente porque havia pessoas correndo pela ponte na rua, meio que olhando por cima dos ombros e filmando atrás deles. Parecia que havia uma briga acontecendo... pessoas brigando entre si. E então percebi que eram policiais lutando com um homem alto e barbudo. Estava com minha bebê, então a movi para trás da escada [do ônibus] para deixá-la segura. Depois, houve dois tiros ou dois estouros altos, acho que foram tiros", contou.

 

"Então o cara estava deitado no chão. Ele puxou o casaco para trás, o que mostrou que ele tinha algum tipo de colete por baixo [não sei] se era um colete de proteção ou algum tipo de colete explosivo. A polícia então se afastou rapidamente. No ônibus, estávamos em pânico porque, neste momento, estávamos quase tão perto quanto a polícia. E ele estava meio que deitado, puxando o casaco para trás e a polícia estava gritando e se afastando dele", completou. A polícia mais tarde disse acreditar se tratar de um falso colete explosivo.

 


'Terrorismo é covarde e vil', diz prefeito


O prefeito de Londres, Sadiq Khan, pediu aos londrinos que "permaneçam vigilantes" e denunciem "qualquer coisa suspeita" à polícia.

 

"O terrorismo é covarde e vil. Nós devemos - e ficaremos - unidos e resolutos frente ao terror. Aqueles que buscam nos atacar e nos dividir nunca terão êxito", declarou Khan.
Em comunicado, o premiê britânico, Boris Johnson, agradeceu à polícia e aos serviços de emergência pela "resposta imediata" ao ataque, que foi considerado "contido" por ele. Johnson afirmou que o incidente está sendo investigado, e que "qualquer pessoa envolvida nesse crime e nesses ataques será caçada e levada à Justiça".

 

"Este país nunca será acovardado, dividido ou intimidado por esse tipo de ataque - e nossos valores, nossos valores britânicos, prevalecerão", declarou Johnson.


A Casa Branca também condenou o ataque e prometeu "total apoio" ao Reino Unido.

 

"Os Estados Unidos condenam fortemente todos os atos terríveis de violência contra pessoas inocentes, e prometemos nosso total apoio ao nosso aliado, o Reino Unido", declarou a presidência americana em comunicado.


Este não é o primeiro ataque na London Bridge. Em junho de 2017, uma van atropelou pedestres ali e, em seguida, os terroristas esfaquearam várias pessoas no Borough Market. O atentado deixou 10 mortos, entre eles 7 vítimas e 3 suspeitos, e 48 feridos.