loader
Funcionários da Boeing dizem que modelo que caiu na Etiópia e na Indonésia foi 'projetado por palhaços'

Funcionários da Boeing dizem que modelo que caiu na Etiópia e na Indonésia foi 'projetado por palhaços'

Diálogos sobre 737 MAX foram entregues pela própria empresa ao Congresso dos EUA e à FAA. Modelo está proibido de voar e parou de ser fabricado após 2 acidentes matarem 346 pessoas.
A Boeing divulgou na quinta-feira (9) mensagens internas de funcionários com comentários críticos sobre o desenvolvimento da aeronave 737 MAX, modelo de aviões de dois acidentes aéreos que mataram 346 pessoas na Etiópia e na Indonésia. A aeronave é diferente da que caiu nesta quarta-feira (10) no Irã.
Os diálogos sobre o Boeing 737 MAX aconteceram em e-mails e mensagens instantâneas e incluem diálogos que diziam que o avião foi "projetado por palhaços e supervisionado por macacos". O conteúdo foi reproduzido pela agência Reuters e pelo jornal "The New York Times".
O Boeing 737 MAX está proibido de voar em todo o mundo depois dos acidentes na Etiópia e na Indonésia. O modelo, que era o mais vendido da companhia, teve sua produção interrompida neste mês.
As conversas foram enviadas pela própria Boeing para o Congresso dos Estados Unidos e para a agência reguladora dos EUA (FAA, na sigla em inglês). Segundo a Reuters, a fabricante justificou a divulgação das mensagens como parte do "compromisso com a transparência". A Boeing afirmou ainda que os diálogos não representam a empresa e são "completamente inaceitáveis". Não está claro como ela teve acesso ao conteúdo.
Mensagens e e-mails
Segundo a Reuters, nas centenas de mensagens de textos e e-mails divulgadas pela Boeing, os funcionários ridicularizam a aeronave e zombam da FAA. Os empregados não foram identificados.
m 8 de fevereiro de 2018, quando o avião estava no ar e 8 meses antes do primeiro acidente fatal, um funcionário pergunta a outro:
"Você colocaria sua família em um simulador do MAX?"
O outro empregado responde:
"Eu não."
Segundo a Reuters, funcionários da Boeing também trocaram mensagens com reclamações sobre o 737 MAX após problemas com o computador de gerenciamento de voo. Em uma das conversas, eles dizem:
"Este avião é projetado por palhaços, que por sua vez, são supervisionados por macacos."
O jornal The New York Times divulgou outra mensagem em que um empregado da Boeing diz:
"Eu não fui perdoado por Deus pelo que eu acobertei ano passado."
Corte de custos
A identidade dos funcionários e as suas funções na empresa não foram reveladas pelo "The New York Times" nem pela Reuters.
Somente uma das mensagens é atribuída a um funcionário do setor de marketing da Boeing. Ele não faz críticas ao avião da própria empresa, mas, sim, comemora o fato de que o treinamento dos pilotos que iriam usar o avião.
A agência reguladora havia decido que pilotos que voaram com um modelo anterior ao 737 MAX, o 737 NG, não precisariam passar horas no simulador de voo.
 “Dá para estar longe de um NG durante 30 anos e ainda assim entrar em um MAX? Amo!”, escreveu ele. Em um outro momento do e-mail, ele diz que essa é uma maneira de a Boeing cortar custos.
Dar treinamento a pilotos em simuladores de voo é um custo alto para as fabricantes de aviões.
Em outros emails e mensagens instantâneas, os funcionários falaram de sua frustração com a cultura da empresa, reclamando da busca por fornecedores mais baratos e "horários impossíveis", segundo a Reuters.
"Não sei como consertar essas coisas ... é sistêmico. É cultura. É o fato de termos uma equipe de liderança sênior que entende muito pouco sobre os negócios e ainda está nos levando a determinados objetivos", disse um funcionário da empresa em um email datado de junho de 2018.
A Boeing disse que as trocas de mensagens "não refletem a empresa que somos e precisamos ser, e são completamente inaceitáveis".
 “Lamentamos o conteúdo dessas comunicações e pedimos desculpas à FAA, ao Congresso, aos nossos clientes empresas de aviação e ao público que voa. A linguagem usada nessas comunicações, e alguns dos sentimentos que ela expressa, são inconsistente com os valores da Boeing, e a companhia está tomando ação apropriada em resposta. Isso vai incluir ação disciplinar ou outra ação pessoal, assim que as revisões necessárias forem completas”, afirmou a empresa em nota.
Repercussão
O divulgação das mensagens, que destacam uma cultura agressiva de corte de custos e desrespeito à FAA, deve aprofundar a crise na Boeing, que está lutando para recuperar seu avião mais vendido e restaurar a confiança do público.
A FAA disse, no entanto, que as mensagens não suscitam novas preocupações de segurança, embora "o tom e o conteúdo de parte da linguagem nos documentos sejam decepcionantes".
As mensagens divulgadas provocaram uma nova indignação por parte de parlamentares dos EUA e pressiona mais o novo presidente-executivo da fabricante de aviões, David Calhoun, a reformular a cultura da empresa quando assumir o comando na próxima segunda-feira (13).
O presidente do Comitê de Transporte da Câmara dos Deputados, Peter DeFazio, que está investigando o MAX, disse que as mensagens "mostram uma imagem profundamente perturbadora das distâncias que a Boeing aparentemente estava disposta a percorrer para evitar o escrutínio dos reguladores, das tripulações de voo e do público, com seus próprios funcionários disparando alarmes internamente."
O senador Roger Wicker, que preside o Comitê de Comércio que lidera a investigação do Senado na Boeing, também disse que os documentos mais recentes "levantam questões sobre a eficácia da supervisão do processo de certificação pela FAA".
O Departamento de Justiça dos EUA tem uma investigação criminal ativa em andamento sobre questões relacionadas ao avião 737 MAX.
Shukor Yusof, chefe da consultoria de aviação da Malásia Endau Analytics, disse que a Boeing deve receber crédito por divulgar as mensagens com discurso bastante crítico.
"Inicialmente, o público que usa transporte aéreo terá compreensivelmente reservas, mas a aeronave - tendo sido ressuscitada completa e responsavelmente - provavelmente será um dos aviões mais seguros do mundo", afirmou à Reuters.
Crise da Boeing
A divulgação das mensagens é mais um episódio de uma das piores crises da Boeing desde as quedas das aeronaves na Etiópia e na Indonésia. A fabricante de aviões enfrenta danos à reputação e perdas envolvendo a saída do mercado do 737 MAX.
A crise custou à Boeing US$ 9 bilhões e prejudicou fornecedores e companhias aéreas.
No terceiro trimestre de 2019, a Boeing informou que o lucro operacional principal caiu para US$ 895 milhões, abaixo dos ganhos de US$ 1,89 bilhão apurados no mesmo período de 2018.
A Boeing produzia 42 jatos do modelo 737 MAX por mês, apesar da suspensão. Atualmente, a companhia tem 400 aviões em estoque.
Os desastres aéreos também derrubaram o principal executivo da empresa. Dennis Muilenburg perdeu o cargo de diretor pouco mais de um ano depois da queda do primeiro 737 MAX, em dezembro.
O conselho de administração afirmou que a mudança é necessária pra reestruturar a confiança na empresa. O novo CEO da Boeing deve assumir na próxima segunda-feira (13).