loader
Executivo e Legislativo se unem para pleitear priorização de trabalhadores na educação na vacinação nacional

Executivo e Legislativo se unem para pleitear priorização de trabalhadores na educação na vacinação nacional

O governo do Estado e o poder Legislativo se reuniram, em ato conjunto, nesta terça-feira (2/3), por meio de videoconferência, para pleitear a antecipação da vacinação de trabalhadores da educação das redes pública e privada. A categoria já pertence ao grupo prioritário para a imunização, mas ainda não há previsão de quando o governo federal disponibilizará doses suficientes para vacinar todos os professores.
O governador Eduardo Leite assinou um ofício, que será enviado ao ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, para oficializar o pleito. O texto argumenta que a postergação do retorno presencial das aulas representa o aumento do abandono e da evasão escolar, o crescimento do índice de distorção idade-série e perdas pedagógicas, entre outras consequências.
“Entendo que essa é mais do que uma preocupação com os professores, é com a educação em si. É importante que tenhamos os profissionais da área da educação imunizados para dar a eles a tranquilidade que permita o retorno às aulas com serenidade. Precisamos avançar para criar essa consciência perante o governo federal”, destacou o governador.
Se o cronograma apresentado pelo Ministério da Saúde for cumprido, a previsão é de que os professores comecem a ser vacinados em meados de maio. Leite explicou que, sem uma concordância por parte do governo federal, o RS não pode decidir, sozinho, priorizar os professores em detrimento de outros profissionais ou pessoas do grupo prioritário. A ordem de vacinação dos grupos prioritários obedece aos critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde.
O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Gabriel Souza, reforçou a importância simbólica da iniciativa ao transmitir à população o sentimento de consenso do que é prioridade em um momento de crise sanitária. “Represento aqui a Assembleia e a unidade dos 55 deputados. O parlamento gaúcho foi o primeiro do país a votar pela antecipação da compra da vacina e de forma unânime. Também criou uma comissão de acompanhamento do planejamento da distribuição das doses. Isso comprova que o assunto é prioridade para o conjunto de deputados, pois só a imunização vai resolver de forma definitiva a pandemia”, defendeu.
O ato oficial se dá em cumprimento à exigência constante em lei federal para que seja feita a oficialização expressa de vontade do Estado junto ao Ministério da Saúde para inclusão dos professores no grupo prioritário de vacinação.
Até o momento, o Rio Grande do Sul já recebeu 923,6 mil doses de vacinas, entre as quais a CoronaVac e a Oxford/AstraZeneca. Já foram aplicadas 594.765 (483.152 em primeira dose e 111.523 em segunda dose).
Além de secretários estaduais, entre os quais a secretária Arita Bergmann (Saúde) e o secretário Faisal Karam (Educação), estiveram presentes, por meio de videoconferência, deputados estaduais, deputados federais, representantes dos educadores estaduais e o procurador-geral de Justiça, Fabiano Dallazen.