loader
Comando Regional da BM no Litoral completa 22 anos

Comando Regional da BM no Litoral completa 22 anos

 
Nesta terça-feira (02/6), completam-se 22 anos da instalação do Comando Regional de Polícia Ostensiva do Litoral (CRPO Litoral) em Osório, criado pela Brigada Militar com a competência de administrar todas as atividades que envolvem a segurança pública e a polícia ostensiva em uma área que abrange 9.305Km². O CRPO Litoral tem ingerência na região litorânea, de Torres a Tavares, incluindo Santo Antônio da Patrulha, e sobre Rolante e Riozinho, situados no Vale do Paranhana, totalizando 25 municípios.
O CRPO Litoral é constituído de seções administrativas (Recursos Humanos; Agência Regional de Inteligência; Doutrina,Treinamento, Ensino e Estatística; Patrimônio e Logística) e a ele estão vinculados o 8º Batalhão de Polícia Militar (8º BPM), também com sede em Osório, e o 2º Batalhão de Policiamento de Áreas Turísticas (2º BPAT), sediado em Capão da Canoa, que, efetivamente, executam as ações de segurança e o policiamento ostensivo, por meio de suas Companhias, Pelotões e Grupos Policiais-Militares.
O CRPO Litoral é um dos 16 Comandos Regionais da Brigada Militar e, juntamente com o Comando-Geral da Corporação, tem a responsabilidade de coordenar a Operação Golfinho nas praias da região, realizada durante as temporadas de veraneio, normalmente entre a segunda quinzena de dezembro e a primeira semana de março.
O CRPO Litoral também desenvolve operações em conjunto com Polícia Civil, Ministério Público, Detran e Instituto-Geral de Perícias e mantém parcerias com o Poder Judiciário, prefeituras e Consepros de sua área de ação.
O primeiro comandante do CRPO Litoral foi o coronel Lauri Schroeder, que havia comandado o 8º BPM, imediatamente antes. Depois dele, outros 12 oficiais estiveram no comando da Unidade, entre eles o coronel Sérgio Roberto de Abreu que, mais tarde, foi comandante-geral da Brigada Militar. Atualmente, o coronel Marcel Vieira Nery comanda o CRPO Litoral.
 
COMUNICAÇÃO SOCIAL DO CRPO LITORAL
TEXTO: jornalista Jussara Pelissoli – servidora civil
FOTOS: Arquivo CRPO Litoral/Studio Paragem