loader
Bombeiros fazem busca há quase uma semana e surfista segue desaparecido

Bombeiros fazem busca há quase uma semana e surfista segue desaparecido

O caso do desaparecimento do jovem Gustavo Oliveira (18), desaparecido na manhã da última quinta-feira (6), enquanto surfava com um amigo na praia de Imbé segue, sendo um mistério para o Corpo de Bombeiros. O desaparecimento aconteceu próximo à barra do Rio Tramandaí, por volta do meio dia, quando o surfista não saiu do mar junto com o amigo.
Segundo o Comandante do Corpo de Bombeiros de Tramandaí, Major Claudio Morais todos os meios disponíveis estão sendo utilizados para fazer as buscas. “Estamos trabalhando de forma incansável desde o momento em que recebemos o chamado, por volta das 15h30 da quinta-feira (6), e seguimos o trabalho de busca, tanto na expectativa de que o Gustavo esteja vivo, quanto na possibilidade, que a gente não quer contar com isto, mas também com a possibilidade de que ele esteja morto e que tenhamos que fazer a busca deste corpo para devolver à família”, salientou o comandante que acompanhou o trabalho também na sexta-feira (7).
Ainda de acordo com o comandante, no primeiro momento foram acionadas as equipes do Corpo de Bombeiros Militar (CBM) que utilizaram quadriciclos e apoio do drone para as buscas completas à beira-mar. No sábado (8) e domingo (9) não foi possível contar com o apoio do helicóptero da Brigada Militar, devido às más condições do tempo, mas na segunda-feira (10) a aeronave fez uma varredura total partindo do local indicado, desde a entrada no mar no Centro de Imbé, passando por Tramandaí, Imbé e um pouco de Cidreira - que seriam destinos prováveis de alguém à deriva, numa corrente de vento nordeste. “Com as condições favoráveis o helicóptero percorreu uma área bem extensa, sobrevoando de Mostardas a Atlântida Sul, e neste percurso foram identificados vários objetos, mas nenhum sinal do Gustavo ou da prancha”, lamentou o comandante.
Na manhã do domingo (9), familiares e amigos de Gustavo fizeram uma corrente de orações na beira da praia, na guarita 134 na altura da entrada do surfista no mar, num ato simbólico deram as mãos fazendo um círculo, encerrando com orações, na expectativa de que o surfista seja encontrado.
As buscas seguem mobilizando as equipes do Corpo de Bombeiros.