Terça, 22 Abril 2014 18:34

Editorial

A administração do patrimônio-água
São Paulo, a maior cidade brasileira e principal centro econômico do país é, hoje, ameaçada pelo desabastecimento de água potável. Culpa-se a seca que se abateu sobre o sudeste brasileiro no último verão, mas a questão anterior. Técnicos revelam que, desde 2008, os reservatórios do sistema que serve a capital e região metropolitana não se enchem totalmente durante o período normal das chuvas, e o ocorrido agora é apenas o agravamento do quadro. Mesmo assim, os responsáveis pelo abastecimento, embora incentivem o povo a economizar, ainda resistem a admitir a possibilidade de racionamento, rodízio da água nas torneiras e outras medidas restritivas. Parte da população já reclama a falta do líquido.
Se há pelo menos cinco anos os reservatórios não vêm se completando, os encarregados do abastecimento deveriam ter adotado paulatinamente medidas corretivas que pudessem ter evitado a chegada ao nível crítico de hoje. Deveriam já na época que surgiu o problema ter investido em novas fontes de abastecimento do manancial, reforçado o programa de economia, as campanhas contra o desperdício e, principalmente, trabalhado com mais zelo na eliminação das perdas de água tratada através dos vazamentos nas redes. Adotadas na época, essas medidas não despertariam a “guerra da água” que agora se ameaça deflagrar entre São Paulo e Rio de Janeiro pelo manancial do Rio Paraíba, nem os reclamos do interior quanto às águas desviadas das nascentes do Rio Piracicaba. A simples necessidade de manter íntegro o abastecimento da maior cidade do país talvez justificasse a ajuda ou pelo menos o financiamento das obras por programas federais ou até internacionais. Mas pouco ou nada foi feito nesse sentido.
Há muito é conhecida a teoria de que o mundo poderá, ainda, guerrear por causa de água. Mas tudo isso tem servido apenas ao discurso dos políticos, à manutenção de ONGs e a outros fins do que à preservação do nosso patrimônio-água. A despoluição dos rios, embora tenha avançado nos últimos anos, ainda está muito distante do ideal. Os governos, responsáveis pelo empreendimento não são afeitos à continuidade de obras iniciadas por seus antecessores. Já passou da hora de tratarmos com maior seriedade os nossos rios, lagos, represas, abastecimento de água e atividades correlatas. Esse estratégico setor não pode continuar sob a gestão de políticos e funcionar ao sabor dos interesses eleitoreiros. Se continuar assim, a “guerra da água” será inevitável...
Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Banner Lateral Claro

Banner Agafarma
Banneronplay
ENDEREÇO: TELEFONES: E-MAILS: Desenvolvido por
Rua Siqueira Campos, 432
Tramandaí - RS
51. 3684.3033
51. 3661.3505
 redacao@jornaldimensao.com.br